Tag Archives: são francisco xavier

Eu e a Montanha – Último trecho.

Todos a postos a espera da contagem para a largada do segundo dia, o tempo estava bom, um pouco nublado mas com o sol querendo aparecer, ao meu ver perfeito para o segundo trecho, que praticamente seria em estrada de terra com mais descidas rumo a São Francisco Xavier.

DCIM100GOPROG0140682.
Largada 2º dia.

Com receio das cãibras voltarem planejei largar mais contido e sentir como meu corpo reagia, afinal seriam mais 20km de prova. Foi dada a largada e logo os ponteiros foram abrindo muito rapidamente, eu sempre acabo me empolgando e saindo mais forte, porem procurei seguir o planejado e me conter nos primeiros quilômetros, fui colocando um ritmo mais forte porem constante e o corpo respondendo muito bem,  com isso pude passar alguns atletas e seguir avançando, minha meta para o segundo dia era terminar em menos de 2 horas e entre os top 20 novamente.

O tempo foi abrindo e o calor só aumentava, tentei me refrescar molhando a nuca e a cabeça, mas mesmo assim estava ficando mas lento, não tenho o costume de tirar a camisa em prova, mas vendo que o tempo estava estabilizado, não tive duvidas e tirei, um alivio imediato, só de sentir o vento já me sentia melhor e o bom ritmo voltou, e a descida parecia não ter fim, foram praticamente 11km de descidas, quando cheguei em uma das poucas partes planas as pernas até bambearam um pouco, mas logo tudo se normalizou.

fb_img_1473295245532
Sol castigando.

Próximo ao quilometro 13 começava a subir, e era uma subida de respeito, começava na estrada e depois continuava no pasto, o visual era muito bonito, a trilha era descampada e o sol continuava castigando, não tinha muita dificuldade o terreno, mas devido o desgaste da descida e o calor ela parecia terrível, para ajudar cruzamos alguns trechos com água o que ajudou a refrescar e até cruzamos com algumas vacas no pasto, mas pareciam nem ligar para nós.

fb_img_1473295256591
Fim da subida, trecho rumo a São Francisco Xavier.

Após o termino da subida, o staff me indica a direção, a partir daquele ponto seria mais descida até a cidade, volto a imprimir um bom ritmo, o corpo responde bem, a paisagem ajuda, foram alguns quilômetros correndo a margem de um rio, o som das águas e da natureza deram um toque a mais na prova, depois de passar mais alguns atletas já tenho a cidade no visual,  entrei na parte mais urbana da prova na qual teríamos que dividir espaço com os carros mas por poucos metros, mas tudo estava bem sinalizado e com staff para dar apoio, já conseguia ouvir o locutor, faltavam poucos metros, o sorriso toma conta do rosto e ai foi so faltava cruzar a linha de chegada.

Consigo bater minha meta e fecho o segundo dia com 1:54 e consigo manter a 20 posição geral dos 40k solo, e o  melhor sem cãibras, tive um principio mas logo parou, realmente fazer uma prova de 2 dias é bem diferente, alem da parte física e mental tem a parte estratégica e de planejamento.

Uma experiencia unica e muito gratificante, recomendo a todos que pelo menos uma vez busquem provas deste tipo, eu adorei e ano que vem volto para os 80k.

 

Eu e a Montanha – Acampamento.

Após cruzar o pórtico, recebo o incentivo da galera que estava a espera dos atletas, e depois desabo no chão, por mim ficaria ali um bom tempo descansando, mas é de extrema importância se hidratadar  após a prova, e já tratei te tomar água e comer algumas frutas que estavam a nossa espera.

DCIM100GOPROG0120662.

Era a minha primeira experiência em acampar junto a uma prova de trail, a fazenda na qual estávamos tinha um visual incrível aos pés da montanha e lagos, chalés, refeitório, uma ótima estrutura, depois de conhecer um pouco de onde estava já procurei a tão sonhada banheira de gele para poder fazer uma imersão e tentar melhorar a dor nas pernas, e nem de gelo precisamos, a água do lago estava muito gelada, tínhamos a opção de ir nele ou ir uns tanques de água correntes, fui no lago pois estava mais perto e onde tinha alguns atletas, fiquei ali por 15 mim, sai renovado, sem contar que a interação entre nos atletas é super bacana e logo fazemos amizades e as historias e relatos não param mais.

Já um pouco recuperado me dirijo a organização para fazer a retirada da minha mala e ir até a minha barraca, os acampamentos estavam bem divididos e organizados, por sorte ou azar fico no mais afastado, e carregar a mala depois de prova não foi uma tarefa muito agradável, após me organizar, tomo um banho em um dos chalés que estavam a nossa disposição e era banho quente, logo depois passo pela massagem e vou até o refeitório aguardar a chegada dos atletas e comer um pouco.

20160904_065545
Acampamento 3.

Conforme o tempo foi passando a concentração de gente no acampamento só aumentava e a energia era muito boa, a cada chegada todos aplaudiam, uma experiência única que todo corredor de montanha deve passar, fomos surpreendidos por uma chuva forte mas que não durou muito e deu um tempero a mais no evento, almocei e mais bate papo, fogueira, janta, comunicados da organização sobre o segundo dia de prova e partiu barraca.

20160904_065535
Vista da barraca.

Teríamos que entregar a mala até as 7 da manha, me programei para levantar perto das 6 para ter tempo de fazer tudo com calma, deitei perto das 10 não consegui dormir muito bem mas deu para repor as energias, de noite nada de chuva, porem logo pela manha o vento estava muito forte, mas com o passar do tempo abriu e o logo o sol se apresentou, mala despachada, café da manha reforçado, mais conversa e agora era esperar a largada que estava marcada para as 9 para o segundo trecho da prova.

Eu e a Montanha – Desafio das Serras.

Ter o privilégio de poder correr 2 dias e meio a Serra da Mantiqueira e ainda acampar ao seus pés é uma oportunidade que não se tem todo dia, e graças ao Desafio das Serras pude viver essa experiência e tenho o prazer de compartilhar com vocês.

Mesmo treinando várias vezes nesta mesma montanha e conhecendo boa parte do percurso, a sensação de correr foi completamente nova, é uma energia que contagia, a ansiedade da largada, os corredores, tudo deixa o espetáculo mais bonito.

DCIM100GOPROGOPR0364.
Largada Desafio das Serras 1º dia.

A praça de São Francisco Xavier ficou pequena para tantos corredores, uma mancha azul tomou conta da cidade, e às 8:35 foi dada a largada para ambos os percursos ( 40 e 80 quilômetros ) optei por participar dos 40k solo, o primeiro dia teríamos que percorrer 20k até o acampamento, o primeiro dia tem o percurso mais lento e técnico, foram praticamente 11k de subida passando por estrada de terra e single track. Por conhecer o caminho e gostar de trilhas mais técnicas imprimi um bom ritmo e consegui passar alguns atletas; com isso me distanciei do pelotão mas sem avistar os ponteiros, estava correndo sozinho.

DCIM100GOPROGOPR0411.
Trilha do Jorge.

Tudo caminhava como planejado, mas às vezes o nosso corpo não responde como esperamos, próximo do fim da interminável subida já havia sentido algumas fisgadas nas panturrilhas, mas nada fora do comum, mas o que era um incômodo virou um pesadelo, praticamente elas ganharam vida, nunca tinha sentido tanta dor como senti naquele momento. Mas meu foco era o fim da prova, não passou pela minha cabeça desistir, poderia terminar andando mas desistir não. Me hidratei, comi um chocolate, e ali era hora de um incentivo extra, e a música pelo menos para mim ajuda muito, selecionei o álbum Canterbury do Ginger Runner e voltei a correr.

Estava na parte mais bonita da prova, a travessia da Serra do Poncianos rumo a Pedra Partida, tentei correr o máximo que pude, gritei, cai.. mas levantei e segui a diante, chego na parte mais crítica para mim, apesar de ser uma pequena escalaminhada as pernas não respondiam muito bem o que me passou uma insegurança, mas a organização colocou algumas cordas que ajudaram e muito, alcanço o cume e ambas as panturrilhas travam, fico alguns segundos parado sofrendo com as dores mas ao mesmo tempo feliz por ter conseguido chegar até ali e ter  uma vista maravilhosa da cidade de Monte Verde e São Francisco Xavier.

DCIM100GOPROG0100543.
Vista Pedra Partida, ao fundo Monte Verde.

Chego na parte mais técnica da prova uma descida com muitos obstáculos, eu adoro aquele lugar e tive o privilé3gio de treinar inúmeras vezes neste trecho, e para descer as pernas respondiam bem, volto a correr bem e o sorriso logo toma conta, eu sabia que a partir daquele ponto teria mais 5 quilômetros de prova sendo uma descida em uma trilha larga e rápida até o acampamento; consigo manter um bom ritmo mas as dores sempre estavam presentes, sai da trilha e chego na estrada de terra que leva ao acampamento, um trecho curto mas parecia não ter fim, tento manter o ritmo mas era difícil, caminho, corro e fico nesta troca até avistar as barracas, ali tive a certeza de estar chegando, sorriso no rosto e aquele gás final para cruzar o pórtico.

DCIM100GOPROG0120666.
Descanso merecido.

Finalizei o primeiro dia com 3h de prova e a 20ª colocação nos 20k solo.

Continua…

Treino trail em São Francisco Xavier

O local escolhido pela assessoria desta vez foi em São Francisco Xavier – SP em uma propriedade privada chamada Pouso do Rochedo.

O percurso curto tinha 6km e o longo 10km. Para os atletas que fossem treinar mais de 10km teriam que repetir o percurso longo. O percurso curto é todo em single track de uma longa subida e termina no Mirante do Cruzeiro com uma linda vista para as montanhas.

O percurso longo teve inicio em estrada de terra, subindo 2km e descendo esses mesmos 2km até então ter início da trilha. A trilha começa passando ao lado de várias cachoeiras, com muitas pedras, chuva de dia anterior e ambiente úmido foi preciso muita atenção e diminuir um pouco a velocidade pois estava bem escorregadio. Após o trecho de cachoeiras uma longa trilha em zigue-zague, também escorregadia devido as folhas no percurso.

Dia estava ensolarado, muito agradável; a trilha muito bonita e com visual incrível. Ao chegar ao topo uma parada rápida para alimentação, foto e logo em seguida sai para a descida. Uma descida rápida, porém de muita atenção pois estava escorregando muito, houve trechos que a sensação era de estar esquiando sem freio devido ao lodo. Então a solução foi correr mais nas beiradas da trilha onde mesmo com grama e folhas estava menos escorregadio do que no meio da trilha.

Ao final da descida, mais um pit stop e partimos para a segunda volta. Dessa vez fizemos apenas o trecho de 6km de single track. Afinal prova alvo está se aproximando e não podemos deixar de treinar subidas.

Finalizei o treino com 16km e satisfeita com o desempenho no treino. Com certeza mais um local para voltar e treinar mais vezes!